Dom, 19 de Maio de 2019
Rua Delfino Facchina, 61 (Cidade Ademar) - Americanópolis - São Paulo/SP - CEP 04409-080
Renuniões Públicas
Tarde 2ª, 3ª, 4ª, 6ª e Sábado: das 14hs30 às 16hs00
Noite 2ª, 3ª, 4ª, 5ª e 6ª das 20hs30 às 21hs30 
Renuniões Públicas
Tarde 2ª, 3ª, 4ª, 6ª e Sábado: das 14hs30 às 16hs00
Noite 2ª, 3ª, 4ª, 5ª e 6ª das 20hs30 às 21hs30 

Lindos casos do Chico



Atualizado em 19/05/2019

10- O PRESIDENTE FRUSTRADO 
 
A primeira sessão espírita no lar dos Xavier realizou­se em maio de 1927. 
Em junho do mesmo ano, os companheiros dessa reunião cogitavam de fundar um núcleo doutrinário.
Era preciso fundar um Centro — diziam.

E, certa noite, num velho cômodo junto à venda de José Felizardo, onde o Chico era empregado, o assunto voltou a debate.  Na assembleia, estavam apenas dois companheiros espíritas, contudo, junto deles, umas dez pessoas, sentadas, bebiam e comiam animadamente. 

— Ah! Um Centro Espírita?
Boa ideia! — comentava­-se. 
— Apressemos a fundação! 
— Faremos tudo por ajudar. 
— Será para nós um sinal de progresso. 

E, dentre as exclamações entusiásticas que explodiam surgiu a palavra de um cavalheiro respeitável, pedindo para que o Centro fosse instituído ali mesmo.

Quem seria o Presidente?
José Hermínio Perácio, o companheiro que acendera aquela nova luz do Espiritismo em Pedro Leopoldo, morava longe, a cem quilômetros de distância. 
Mas o cavalheiro de faces avermelhadas prometeu solene: 

— Assumo a responsabilidade. A fundação ficará por minha conta. Chamem o Chico. Ele poderá lavrar a ata de fundação. Serei o Presidente e ele terá as funções de Secretário. 

Depois de breve conversação, o grupo recebeu o nome de “Centro Espírita Luiz Gonzaga”.  Chico lavrou a ata que todos presentes assinaram. 

Mas, na manhã imediata, o cavalheiro que chamara a si a Presidência, voltou à venda de José Felizardo e pediu para que seu nome fosse retirado da ata, alegando: 

— Chico você sabe que sou de família católica e tenho meus deveres sociais. Ontem, aquele meu entusiasmo pelo Espiritismo era efeito do vinho. Se vocês precisarem de mim, estou pronto para auxiliar, contudo, não posso aceitar o encargo de Presidente. 

— Mas, e como ficaremos? — perguntou o Chico — eu sou apenas o Secretário. 

— Você faça como achar melhor, mas não conte comigo. 
E o Presidente saiu, deixando o Chico a pensar.