Sáb, 14 de Maio de 2022
Rua Delfino Facchina, 61 (Cidade Ademar) - Americanópolis - São Paulo/SP - CEP 04409-080
Renuniões Públicas
Tarde 2ª das 14hs30 às 16hs00
Noite 5ª das 20hs30 às 21hs30 
Manhã Sábado das 09hs30 às 11hs00
Renuniões Públicas
Tarde 2ª das 14hs30 às 16hs00
Noite 5ª das 20hs30 às 21hs30 
Manhã Sábado das 09hs30 às 11hs00

Em torno do Mestre

Pedro de Camargo (Vinicius)




Atualizado: 14/05/2022

Em torno do Mestre – Pedro de Camargo (Vinicius)

50) Iniquidade? Não. Justiça!
 
Que vejo? Aqui, um marido exemplar suportando a esposa fútil, caprichosa e desamorável; ali, o reverso da medalha: uma esposa dócil, criteriosa, dedicada ao lar, sofrendo o convívio de um marido rude, desafeiçoado e libertino.

Além, vejo pais solícitos e bons, sacrificando-se por filhos ingratos e maus, que os desdenham e menosprezam. Ao lado desse quadro pungente se me apresentam filhos meigos e respeitosos, cujos pais, velhacos e viciados, descuram completamente de sua educação e do seu futuro.

Mais adiante, vejo o rico, astuto, espoliando o pobre de boa-fé;
vejo o industrial poderoso, no uso de favores e regalias concedidas por leis iníquas, explorando os consumidores e o operariado que a tudo se submete, premido pelas necessidades imperiosas da vida; 
vejo o impostor triunfante ao lado da probidade humilhada;
vejo a virtude abatida e o vício entronizado;
vejo o algoz impune e a vítima desamparada;
vejo a saúde e o vigor banqueteando-se no tremedal do mundanismo e a enfermidade gemendo no leito das agonias lentas, intermináveis;
vejo o gênio fulgir como astro de primeira grandeza no azul do firmamento, e o imbecil confundindo-se com o pó das ruas por onde perambula;
vejo o desperdício, o supérfluo, o luxo desmedido, o fausto arrogante e as pompas que deslumbram junto da carestia, da miséria, da fome e da nudez;
vejo a beleza plástica, o aveludado de faces rosadas que se assemelham às pétalas das mais delicadas flores, ao lado de criaturas repelentes, cobertas de chagas e pústulas asquerosas ou portadoras de aleijões que horrorizam;
vejo, finalmente, a lágrima desconsolada junto do riso impenitente, a dor e o prazer, um ao pé do outro, atestando, num híbrido conjunto, a expressão de uma...indefectível justiça que se cumpre, de uma esplêndida harmonia, surgindo desse caos como a aurora sorridente irrompendo de caliginosa noite de tormenta!

Sim, não há vítimas em meio de toda essa anomalia. Os olhos do corpo querem vê-las, quando os da alma estão fechados. Abertos estes, a mais perfeita equidade se revela à luz do entendimento.

Como se hão de aplainar os caminhos senão, como disso o profeta, arrasando os outeiros e aterrando os vales?

Fechem-se os olhos da carne e abram-se os do Espírito; veremos, na vítima de hoje, o algoz de ontem; é o monte que se arrasa.

Veremos mais, que o algoz de hoje será vítima de amanhã: é um vale que se abre, o qual, em tempo, será aterrado.

O homem é o senhor do futuro e o escravo do passado. Resgata-se agora a dívida de outrora.
O amanhã nascerá do hoje, como o hoje nasceu do ontem. O presente é filho do passado e pai do futuro.
Os sentidos veem o fragmento desligado do todo: é a ilusão, é a existência terrena.
Os olhos da razão e da sabedoria, ligando o pretérito ao presente, abrangem o conjunto: é a realidade, é a vida do Espírito na eternidade.

“Nascer, viver, morrer, renascer ainda, progredindo sempre; tal é a lei.”  
 
 

Em torno do Mestre

Click no link abaixo, para ver o livro

 LIVRO EM ESTUDO EM TORNO DO MESTRE