Qui, 13 de Junho de 2019
Rua Delfino Facchina, 61 (Cidade Ademar) - Americanópolis - São Paulo/SP - CEP 04409-080
Renuniões Públicas
Tarde 2ª,  4ª,  e Sábado: das 14hs30 às 16hs00
Noite 2ª, 3ª, 4ª, 5ª e 6ª das 20hs30 às 21hs30 
Renuniões Públicas
Tarde 2ª,  4ª,  e Sábado: das 14hs30 às 16hs00
Noite 2ª, 3ª, 4ª, 5ª e 6ª das 20hs30 às 21hs30 

Evangelho

O Mestre da Vida - Augusto Cury



Atualizado: 13/06/19


VOLUME 3
O Mestre da Vida – Augusto Cury
Cap. 6 – O julgamento pelo Império Romano
249 – Terceira acusação: fazer-se rei
 
O mestre de Nazaré não queria se fazer rei, embora tivesse todos os atributos para ser o mais brilhante monarca. Era lúcido, sábio, perspicaz, eloquente, justo, amável, afável, sereno, equilibrado.

Ele não desejava o trono político.
Queria ser rei no coração humano. Preferia o amor de pessoas simples ao ribombar dos aplausos da multidão.
A cúpula judaica pressiona Pilatos.

As acusações feitas pelos judeus eram sérias. A pena de morte dos judeus era por apedrejamento (Levítico 20:2-27; Deuteronômio 13:10; 17:15). A crucificação era uma prática fenícia que foi adotada pelos gregos e posteriormente incorporada pelo Império Romano. Roma só crucificava escravos e criminosos atrozes.

Cristo por quatro vezes havia predito que seria crucificado. A quarta e última vez foi pouco tempo antes de morrer, alguns dias antes da Páscoa judaica (Mateus 26:2). O carpinteiro de Nazaré sabia que não morreria apedrejado.

Essa previsão é in- comum, e mais incomum ainda é ver alguém como Jesus dirigir seu próprio julgamento com gestos, palavras e momentos de silêncio.

A morte na cruz é lenta e angustiante. Jesus queria morrer como o mais vil dos homens, passando por todos os suplícios. Sua história é saturada de enigmas. Estamos sempre nos esquivando da dor, mas ele, mostrando uma emoção inabalável, foi ao encontro dela.

A liderança judaica decidiu usar a política romana para executar aquele homem amado pelas multidões. Decidiram que Roma o condenaria por ser ele o mais insolente blasfemador.

Livres da responsabilidade pela morte de Jesus, os fariseus, os escribas e os sacerdotes manipularam o povo, levando-o a desprezá-lo e a vê-lo como um agitador político. Por isso, talvez, a brilhante nação de Israel ainda não investigou a história do Mestre dos Mestres detalhadamente. Quem sabe este livro propicie condições para que alguns judeus a investiguem?
 
 

Estudos dos Evangelhos

O Evangelho segundo o Espiritismo - Allan Kardec



 

O Mestre da Vida

Augusto Cury