Sex, 19 de Abril de 2019
Rua Delfino Facchina, 61 (Cidade Ademar) - Americanópolis - São Paulo/SP - CEP 04409-080
Renuniões Públicas
Tarde 2ª, 3ª, 4ª, 6ª e Sábado: das 14hs30 às 16hs00
Noite 2ª, 3ª, 4ª, 5ª e 6ª das 20hs30 às 21hs30 
Renuniões Públicas
Tarde 2ª, 3ª, 4ª, 6ª e Sábado: das 14hs30 às 16hs00
Noite 2ª, 3ª, 4ª, 5ª e 6ª das 20hs30 às 21hs30 

Evangelho

O Mestre da Vida - Augusto Cury



Atualizado: 18/04/19


VOLUME 3

O Mestre da Vida – Augusto Cury
Cap. 5 – Condenado na casa de Caifás pelo Sinédrio
242 – A segunda e dramática sessão de tortura 

No momento em que os homens do sinédrio bradaram que Jesus era réu de morte, detonaram o gatilho da agressividade e uma fúria incontrolável se apoderou dos soldados sob seu comando. Eles se amontoaram em torno do mestre e começaram a esmurrá-lo, cuspir no seu rosto, esbofeteá-lo, chutá-lo.

Em minutos multiplicam-se os ferimentos. Seu rosto traumatizado desfigura-se ainda mais. O poeta da vida fica quase irreconhecível. Foi uma noite de terror. E, como se não bastasse a violência física, eles o torturaram psicologicamente. Cobriram-lhe o rosto e o esmurraram, perguntando: “Profetiza, Cristo: quem é que te bateu?” (Marcos 14:65).

Faziam dele o centro de um espetáculo de deboche. Ouviam- se imensas gargalhadas no pátio da casa de Caifás. Todos zombavam do “falso” filho de Deus. Quem suportaria tanta humilhação?

Eis o grande paradoxo expresso na história de Jesus: “Em nome de Deus os homens feriram a Deus, porque não descobriram que Ele estava escondido na pele de um homem.”

Se tivéssemos o poder que o Mestre da Vida confessava ter, o que teríamos feito com nossos carrascos? Certamente os teríamos agredido com igual violência. Se o destino da humanidade dependesse de nossa paciência, a raça humana seria extinta.

Foi um grande teste para Jesus. Ele nada fez. Simplesmente suportou o insuportável.
 

Estudos dos Evangelhos

O Evangelho segundo o Espiritismo - Allan Kardec



 

O Mestre da Vida

Augusto Cury