Sáb, 25 de Junho de 2022
Rua Delfino Facchina, 61 (Cidade Ademar) - Americanópolis - São Paulo/SP - CEP 04409-080
Renuniões Públicas
Tarde 2ª e Sábado das 14hs30 às 16hs00
Noite 4ª e 5ª das 20hs30 às 21hs30 
 
Renuniões Públicas
Tarde 2ª e Sábado das 14hs30 às 16hs00
Noite 4ª e 5ª das 20hs30 às 21hs30 
 

Livro dos Espíritos




Atualizado: 25/06/2022
 
27 - PRIMEIRA MANIFESTAÇÃO
0384/LE

 
A primeira manifestação da criança no mundo, ao nascer é realmente o choro, para dizer aos pais que está junto deles.

Os pais, principalmente a mãe, ao ouvirem o primeiro choro do filho, sentem a alegria assomar em seus corações, que nesta hora se encontram em estado de alta sensibilidade.

Os desencarnados que ali se encontram batem palmas energéticas de alegria, igualmente, e a criança renova suas forças com as lágrimas em profusão.

Até aqueles que assistem a mãe sentem um estado de bem-estar ao ouvir a música do Espírito que vem à luz da vida.

Muitos pensam que o choro é comportamento negativo, mas nem sempre: as lágrimas são afrouxamento dos nervos, e podem criar ambiente de muita tranquilidade.

Dependendo do motivo por que se chora, elas têm muita utilidade. Mesmo com o adulto, o choro é uma terapia.
Quando está enredado em opressões, o choro alivia, bem como atrai para junto de si companheiros em socorro, aliviando mais rapidamente a dor interna o que, por vezes, não é aconselhável.

Na utilidade que impõe o corpo, quando a criança chora pela primeira vez, os órgãos que está recebendo são também testados, como o faz quem no mundo instala uma rede de microfones para uma festa. Tudo tem o teste em primeira mão.

A criança quando chora, chama imediatamente a atenção da mãe ou dos que a cercam, e eles logo avaliam se é fome ou dor, e cuidam dela.

Como a sabedoria de Deus é grandiosa!

O choro do bebê é o recurso de linguagem da criancinha, e a mãe é hábil na interpretação do que ela deseja.
A linguagem dos homens é que é de difícil entendimento.

Quanto mais sábia a criatura, menos ela conversa e quando fala, expõe o certo com suavidade, fazendo com que todos entendam sua fala de luz.

Os seus sentimentos criam imagens que aquele que ouve assimila com facilidade.

A criança, desde a tenra idade, já sorri também, mostrando aos presentes que já sabe expressar o ambiente que Deus para a satisfação dos que cuidam dela e entendem o que ela deseja.

É um absorvente dos pensamentos, bem como dos sentimentos espirituais maternos, no ambiente em que vive.

Por isso, é preciso conversar com suavidade com a criancinha.

Ela tem necessidade de ouvir a mãe, mais do que o próprio alimento, e se não ouvir as palavras de carinho, pode atrofiar e até morrer de constrangimento.

A criança chora, estimulando a mãe, o pai e os que cercam para ouvi-la.

Se pensamos que está ali um ser completamente inconsciente, estamos enganados: nela tudo se registra na mais pura sensibilidade que aflora na consciência, e que o coração expressa nos sentimentos infantis.

Não descuidemos da criança em todas as suas necessidades de viver.

Ela tem o direito de vida como todas as criaturas.

Atrofiar uma criança por negar a ela seu direito é assassinar uma vida em formação, é crime por omissão.

O mundo espiritual se encontra presente junto às crianças para ajudá-las nas suas mais puras necessidades.

A mãe, quando conversa com seus filhos, em muitos casos serve de médium, a fim de transmitir a mensagem do plano espiritual à vida em formação.
 

O Livro dos Espíritos

Click no link abaixo, para ver o livro desejado

 LIVRO EM ESTUDO   FILOSOFIA ESPÍRITA - VOL. VII - MIRAMEZ
 LIVRO TEMA:   O LIVRO DOS ESPÍRITOS