Sáb, 18 de Maio de 2019
Rua Delfino Facchina, 61 (Cidade Ademar) - Americanópolis - São Paulo/SP - CEP 04409-080
Renuniões Públicas
Tarde 2ª, 3ª, 4ª, 6ª e Sábado: das 14hs30 às 16hs00
Noite 2ª, 3ª, 4ª, 5ª e 6ª das 20hs30 às 21hs30 
Renuniões Públicas
Tarde 2ª, 3ª, 4ª, 6ª e Sábado: das 14hs30 às 16hs00
Noite 2ª, 3ª, 4ª, 5ª e 6ª das 20hs30 às 21hs30 

Nas Pegadas do Mestre

Pedro de Camargo (Vinicius)




Atualizado: 18/05/2019


Nas Pegadas do Mestre – Pedro de Camargo (Vinicius) 
114- Nem frio nem quente
 
É do insigne educador Hilário Ribeiro esta sentença profundamente sugestiva: “Não basta ter coração, é preciso ter bom coração”. Tal pensamento sugere este outro não menos filosófico, ainda que menos poético: “Não basta deixar o mal, é preciso fazer o bem”.

Há indivíduos cuja vida, não oferecendo margem para qualquer censura, não deixa também transparecer o mínimo vestígio de abnegação, de coragem ou de altruísmo.

Tudo, nesses homens, obedece a um cálculo prévio e seguro. Seus atos são medidos a compasso. Suas palavras, destituídas do mais ligeiro arroubo ou arrebatamento, são serenas como o arrulhar das rolas.

Seus gestos são isócronos como o movimento de um pêndulo. Agem em tudo e por tudo consoante um programa preestabelecido, e de acordo com certo interesse vital escondido em seu foro íntimo.

Outros há, que são o reverso da medalha, isto é, em cuja vida se notam várias lacunas, em cujos procedimentos há falhas sensíveis, mas, em quem, ao lado desses senões, se descobrem rasgos sublimes de generosidade, traços indeléveis de coragem, atitudes de heroísmo que deslumbram, exemplos de bondade que edificam.

Os primeiros são incapazes do mal como são incapazes do bem. Os segundos são capazes, tanto do mal como do bem. No entanto, podemos dizer, sem receio de errar, que estes últimos estão mais perto de Deus e de sua justiça que os primeiros.

A mensagem dirigida à Igreja de Laodiceia pelo anjo revelador do Apocalipse (3:16), reza o seguinte: “Sei as tuas obras; já vi que não és frio nem quente. Oxalá fosses frio ou quente; mas és morno, e, por isso, quero vomitar-te de minha boca”.

Há homens que pertencem à Igreja de Laodiceia; não são frios nem quentes, são mornos, a despeito deste terrível dizer da mensagem: “Oxalá! Fosses frio ou quente”.

De fato, é mais fácil o homem evolver, sendo mau com mesclas de bondade, que sendo apático, impassível tanto no mal como no bem.

O caráter morno ou medíocre dificilmente se modifica. É cristalizado. Traz as cordas do sentimento frouxas como aqueles dois clérigos que aparecem na Parábola do Bom Samaritano, passando de largo pelo viajor espoliado e ferido que jazia à beira da estrada.

O caráter ardente e apaixonado é capaz de transformações completas e grandes surtos de progresso.
É o que se verifica com o converso de Damasco.

Quando Saulo era fanático, e, como tal, capaz das maiores iniquidades.
Convertido, como Paulo, revelou-se um herói na defesa da Verdade, um mártir na propaganda da nova fé que abraçara.

Maria de Magdala é outro exemplo que vem corroborar nossa asserção.
Era mulher de costumes dissolutos, tida e havida como tal; porém, à semelhança de Paulo, possuía um coração ardente, cujas fibras, quando tangidas por quem lhes conhecesse o segredo, vibravam intensamente.

Daí a sua transformação súbita e radical, chegando a merecer as francas simpatias do Salvador do mundo.
E o ladrão na cruz?

Por que se deu aquela inopinada mudança?

Porque se tratava também de uma alma viva, de um caráter vibrátil, de um coração sensível, capaz de se inflamar ao primeiro sopro do Céu.

Destes é que nasce o gênio, tanto nas Artes, como na Ciência, como na virtude.
O Cristianismo é a fé capaz de os produzir.   
 

Nas Pegadas Mestre