Qui, 08 de Abril de 2021
Rua Delfino Facchina, 61 (Cidade Ademar) - Americanópolis - São Paulo/SP - CEP 04409-080
Renuniões Públicas
Tarde 2ª,  4ª,  e Sábado: das 14hs30 às 16hs00
Noite 2ª, 3ª, 4ª, 5ª e 6ª das 20hs30 às 21hs30 
Renuniões Públicas
Tarde 2ª,  4ª,  e Sábado: das 14hs30 às 16hs00
Noite 2ª, 3ª, 4ª, 5ª e 6ª das 20hs30 às 21hs30 

O Mestre na Educação

Pedro de Camargo (Vinicius)




Atualizado: 10/04/2021

 
O Mestre na Educação – Pedro de Camargo (Vinicius) 

31- A criança 

 
Recordemos duas sentenças acerca da criança, proferidas pelo Profeta de Nazaré. Disse ele: “Deixai vir a mim os pequeninos; não os impeçais, porque deles é o Reino dos Céus”. 

E mais: “Em verdade vos digo, que, se não vos fizerdes como as crianças, não entrareis no Reino dos Céus”. 

A primeira destas duas assertivas não exprime tão somente uma expressão carinhosa, um gesto afetuoso, aliás, muito próprio do caráter e da personalidade do Divino Mestre; encerra também sabedoria, revelando o perfeito conhecimento das condições em que as crianças se encontram ao encetarem a sua entrada no seio da Humanidade, e, ao mesmo tempo, recorda e põe em destaque os compromissos daqueles que aqui as recebem, notadamente os pais e preceptores. 

A criança — notemos bem — não é uma entidade recém-criada: é, apenas, recém-nascida, fenômeno este que se consuma em cada uma das vezes que o Espírito imortal reveste a indumentária carnal, permanecendo no plano terreno por tempo incerto, que pode ser mais ou menos dilatado. 

Quando, pois, Jesus diz — deixai vir a mim os pequeninos — adverte-nos quanto à época propícia ao lançamento das bases educativas. 

Não forçamos a interpretação. Jesus não é mestre? O mister que exerceu neste mundo, não foi ensinar e curar? 

Portanto, encaminhar as crianças a Ele importa em educá-las segundo os preceitos de sua escola. Consideremos ainda o que Jesus afirmou de si mesmo: Eu sou a Verdade. Eu sou a luz do mundo. 

Ora, o que é educar, no legítimo sentido da expressão, senão orientar o Espírito na aquisição parcial, porém progressiva, da Verdade? dessa Verdade que é luz; essa luz que é redenção? — na conformidade de mais esta frase elucidativa da missão do Verbo encarnado: “Se permanecerdes nas minhas palavras, sereis realmente meus discípulos; e conhecereis a Verdade e a Verdade vos libertará?” 

Esquadrinhemos o quanto possível o pensamento do Mestre: 

Após o — deixai vir a mim os pequeninos — Ele acrescentou: Não os impeçais — isto, porque os discípulos pretenderam impedir que as crianças se aproximassem dele. Nós — nos dias de hoje, descurando da educação infantil — o que estamos fazendo senão impedir que as crianças se instruam e se iluminem conforme os preceitos a escola cristã? 

Deixar de proporcionar à infância essa oportunidade, é contribuir para o seu extravio, quando está em nossas possibilidades conduzi-la àquele que é o Caminho, a Verdade e Vida. 

Prosseguindo, consideremos a terceira parte da sentença ora comentada: porque delas — das crianças — é o Reino dos Céus. 

A velha ortodoxia ensina que o Reino dos Céus lhes pertence porque elas são inocentes, e, assim, desencarnando nessa condição, vão integrar-se naquele Reino. 

Semelhante interpretação, porém, não procede; não resiste mesmo ao mais ligeiro sopro de raciocínio. 

Senão vejamos: Onde o mérito da criança para obter o Céu? Que fez ela, digno de tamanha recompensa, considerando, sobretudo, o conceito desta frase, que foi enfaticamente proclamada por Jesus?! “A cada um será dado segundo as suas obras”. 

Se não é lícito imputar culpa às crianças, também, de igual modo, não lhes podemos conceder merecimentos. A prevalecer aquele postulado, isto é, que a criança desencarnada vai para o Céu, a melhor ventura, o maior bem que lhe poderia suceder, seria, por certo, a morte.  

Em tal hipótese deveriam desaparecer a Puericultura e a Pediatria como ciências heréticas, e levantar-se um monumento a Herodes I, o tetrarca da Galileia, porque tendo decretado a degola de milhares de crianças nascidas em Belém e suas cercanias, enviou ao Reino dos Céus grande falange de almas sem pecado.  

Tampouco teria fundamento os protestos da nossa imprensa chamando a atenção das autoridades para o vultoso número de crianças que sucumbem em nossa sociedade; antes, fariam jus, essas autoridades, a louvores, por estarem carreando essas levas sucessivas de inocentes para os tabernáculos eternos. 

Semelhante erronia procede do desconhecimento da verdade a respeito da criança e das leis que regem e regulam marcha evolutiva dos seres conscientes, e, por isso, responsáveis. 

Sendo a criança que nasce um Espírito que se reencarna, a sua inocência resulta da ignorância do mal no decurso os primeiros anos de cada existência. E, mais ainda, porque o novo aparelho, a matéria, em vias de desenvolvimento, obscurece a mente, constrangendo o Espírito dentro de limites acanhados, determinando um recomeço.  

Assim é necessário, pois é mediante essas reiniciações verificadas través das existências sucessivas que se processam as retificações que a alma imortal vai imprimindo na linha mais ou menos sinuosa de sua evolução. 

Cada passagem pela Terra importa numa oportunidade, sendo que os sete anos iniciais são os mais adequados e propícios ao lançamento das bases educativas, segundo ensinam os nossos irmãos maiores, devendo, por isso, merecer os pais e dos preceptores os mais atentos cuidados. 

E após aquele período que o Espírito integra o seu aprimoramento na carne, sendo, portanto, a fase mais adequada as iniciações renovadoras. 

A criança nessa época ignora os preconceitos de raça, nacionalidade, classe, credos e posição social. Elas são propensas a se confraternizarem. Se, por vezes, rixam e se hostilizam mutuamente, não guardam ressentimentos, pois jamais o Sol se põe sem que se hajam reconciliado. Às contendas da manhã, sucedem, invariavelmente, as fraternas amistosidades da tarde. 

E tão acentuada a naturalidade de suas atitudes, que, desconhecendo o direito de propriedade que vigora em nossa sociedade da maneira mais rigorosa, as crianças vão-se apossando de qualquer objeto ou brinquedo que encontram ao alcance e lhes desperta interesse, desfrutando o prazer de admirá-lo e dele se servirem como coisa sua. 

Conforme verificamos, tanto no fato de não guardarem animosidade, como também no que respeita ao modo como encaram as utilidades da vida, as crianças dão lições aos homens, justificando estes dizeres do Divino Educador: “se não vos fizerdes como as crianças não entrareis no Reino de Deus”. 

Cada nova existência importa, pois, no retorno do aluno ao ciclo de aprendizagem, e ao centro de experiências renovadas. Desprezar tais oportunidades, deixando de orientar, esclarecer e conduzir as crianças — é crime de lesa-humanidade cometido pelos responsáveis, considerando que, dentre estes, nós, os espíritas, assumimos a parte mais acentuada dentro do critério desta luminosa sentença do Cristo de Deus:  

“A quem muito foi dado, muito será exigido”. 

Pensemos, portanto, no problema da educação, dando escola às crianças, pois do contrário estaremos falhando lamentavelmente ao cumprimento do mais imperioso dever que nos cabe desempenhar.  

O Mestre na Educação

Click no link abaixo, para ver o livro

 LIVRO EM ESTUDO  O MESTRE NA EDUCAÇÃO